Alinhamento entre Júpiter e Saturno poderá ser visto a olho nu na noite desta segunda.

Policial militar é preso suspeito de colaborar com criminosos durante “Operação Versus”.
dezembro 20, 2020
Comitê Covid decide e Cataguases regride à Onda Vermelha do Minas Consciente.
dezembro 21, 2020
Exibir tudo

Alinhamento entre Júpiter e Saturno poderá ser visto a olho nu na noite desta segunda.

Nesta segunda-feira (21) à noite, acontece um fenômeno raro no céu: a conjunção entre Júpiter Saturno. Os dois maiores planetas do sistema solar ficarão alinhados e será possível observar – a olho nu – a chamada “Estrela de Natal” ou a “grande conjunção”, que é a maior aproximação visível entre eles desde a Idade Média.

Segundo astrônomos, Júpiter e Saturno estiveram tão próximos pela última vez em 1623. O fenômeno mais similar, porém, ocorreu no século 13, há quase 800 anos.

continua após a publicidade

A conjunção será visível de quase todos os lugares da Terra, após o pôr do sol. Como todo evento astronômico, sua visibilidade dependerá das condições climáticas. Devido à sua luminosidade, pode ser visto sem binóculo ou telescópio.

Quem observar o céu conseguirá ver um “disco duplo”, como descrevem os astrônomos. Quem tiver um telescópio, conseguirá ver até mesmo os anéis de Saturno e os cinturões de Júpiter, uma vez que ambos os astros estarão mais próximos da Terra também.

800 anos depois

Uma conjunção tão próxima entre os astros teria ocorrido em 16 de julho de 1623.

Segundo o astrônomo Patrick Hartigan, da Universidade de Rice (EUA), o ocorrido pode ser mais antigo ainda. Em entrevista à BBC em novembro, ele afirmou que um alinhamento tão próximo pode ter ocorrido em 4 de março de 1226.

A raridade do fenômeno, segundo os astrônomos, é explicado pelo próprio movimento dos dois planetas, além do da Terra: enquanto o nosso planeta leva um ano para dar uma volta no Sol, Júpiter leva 12 anos e, Saturno, 30 anos.Assim, após 21 de dezembro, Júpiter e Saturno voltarão a se distanciar e já não será mais possível ver o movimento da Terra.

Fonte : G1

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *