Quase 33 mil mineiros já foram vítimas de golpe pelo WhatsApp em 2021.

Jovem é preso ao tentar esconder 17 papelotes de cocaína dentro da boca.
novembro 9, 2021
Povoado de Araci em SJN finalmente ganhará uma seção eleitoral.
novembro 10, 2021
Exibir tudo

Quase 33 mil mineiros já foram vítimas de golpe pelo WhatsApp em 2021.

Entre janeiro e setembro deste ano, pelo menos 32.949 moradores de Minas Gerais caíram em golpes cometidos por meio do WhatsApp. O número coloca o crime como o de maior incidência na Coordenadoria Estadual de Combate aos Crimes Cibernéticos (Coeciber), órgão do Ministério Público (MPMG).

E o estelionato digital pelo aplicativo, na maioria das vezes, ocorre por descuido da própria vítima. Mensagens como: “deixei meu celular na assistência técnica e eles me deram um prazo de 3 a 4 dias. Estarei usando esse número temporariamente. Qualquer coisa, pode me chamar aqui, ok”?, são algumas das utilizadas pelos bandidos para fisgar a confiança do alvo.

continua após a publicidade

Mas o MPMG alerta que, nesse tipo de golpe, o criminoso se passa por parente da vítima. Após a troca de algumas mensagens para obter dados e ganhar a confiança dela, o bandido passa a pedir que ela faça alguma transferência ou depósito, sob o pretexto de que não está conseguindo acessar aplicativos no telefone novo ou alguma outra desculpa genérica. A vítima, então, acaba fazendo a movimentação financeira solicitada pelo estelionatário.

“Em geral, não se trata de invasão (“hackeamento”) do telefone, do computador ou mesmo do aplicativo. O que ocorre é que os criminosos adquirem ‘pacotes de dados’ no mercado negro, geralmente decorrentes dos vazamentos de bancos de dados de prestadores de serviços e empresas legítimas, contendo nome, data de nascimento, estado civil, endereços, números de telefones, relações familiares e até dados financeiros e outras informações sensíveis de possíveis alvos”, explica o coordenador do Coeciber, promotor de Justiça Mauro Ellovich da Fonseca:

Diante dos dados alarmantes, o MPMG produziu um documento com dicas para que o cidadão possa se prevenir e não cair em estelionatos digitais.  “Somente com a prevenção e a devida responsabilização dos criminosos poderemos coibir esse tipo de crime que vem gerando cada vez mais danos à nossa sociedade”, acrescenta o promotor.

Como evitar o golpe?

– Não realizar imediatamente pagamentos ou transferências quando houver solicitação por meio do Whatsapp;

– Não fornecer dados ou confirmar dados por telefone ou aplicativos não seguros (como Whatsapp, Telegram, etc), ainda que pareçam ser de instituições legítimas;

– Restringir as configurações de privacidade de redes sociais, especialmente a da foto de perfil do Whatsapp;

– Ativar a verificação em duas etapas em todos os produtos/serviços que possuírem esta funcionalidade (especialmente o Whatsapp).

– Alertar parentes e familiares, especialmente os mais idosos, sobre como esse tipo de estelionato vem ocorrendo e ensiná-los a adotar as medidas de prevenção.

continua após a publicidade

Que providências adotar se for vítima?

– Caso o cidadão tenha sido vítima desse golpe ou alguém tenha tentado aplicá-lo, o Coeciber orienta a adoção das seguintes providências:

– Nunca delete a conversa realizada com o criminoso e nem apague qualquer mensagem do diálogo.

– Faça a captura de telas (“print screen” ou “print” como é referido popularmente) dessa conversa;

– Realize o “backup da conversa” e a “exportação da conversa” para algum e-mail;

– Informe imediatamente ao parente ou amigo cuja identidade está sendo usada pelo criminoso para que ele possa avisar terceiros e se precaver das consequências do uso de seu nome e dados;

– Faça um Boletim de Ocorrência, constando o número usado pelo criminoso e quaisquer outros dados que ele tenha fornecido (e-mails, chaves PIX, contas bancárias, etc);

– Comunique imediatamente seu banco e o banco para o qual os valores foram transferidos, registrando reclamações formais;

– Envie um e-mail para [email protected] comunicando a criação de perfil falso, constando o número utilizado pelo criminoso e as capturas de tela (“prints”) realizadas.

Fonte : MPMG/ Jornal O Tempo

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

error: O conteúdo está protegido !!