Quem é o Homem-Pateta que está aterrorizando crianças pela Internet.

Val Dornellas realizou Live Solidária em prol do “Projeto Mãos Amigas”.
junho 29, 2020
Prefeitura de SJN abre processo seletivo pra técnico de enfermagem e atendente de Saúde.
junho 29, 2020
Exibir tudo

Quem é o Homem-Pateta que está aterrorizando crianças pela Internet.

Desde a última semana, autoridades e jornais vêm veiculando alertas sobre o Homem-Pateta, um perfil cujo nome é Jonathan Galindo e que viria assustando crianças na internet e promovendo desafios que envolvem o suicídio como objetivo final. O aviso, feito inicialmente pela Polícia Civil de Santa Catarina, é para que os pais monitorem o uso da internet pelos filhos e, principalmente, com quem eles se comunicam, buscando as autoridades e auxílio psicológico caso necessário.

continua após a publicidade

O alerta publicado no dia 17 de junho foi dado pelo Núcleo de Inteligência e Segurança Institucional (NIS) do Tribunal de Justiça do estado (TJSC) e teria sido publicado após avisos de pais e professores. A ideia é que os perfis que se identificam como Jonathan Galindo e utilizam imagens uma versão antropomórfica ( com características humanas ) do Pateta, da Disney, surgiram em 2017 em países de língua espanhola e estão chegando apenas agora ao Brasil, buscando contato com crianças por meio de mensagens diretas ou ligações de vídeo e áudio, por onde também exibem seu conteúdo perigoso, voltado para “causar desconforto, medo e, em alguns casos, tentar provocar o suicídio”.

O aviso logo foi reproduzido em sites de notícias, principalmente naqueles focados em educação infantil, enquanto alertas semelhantes também eram dados por forças policiais de outros estados. Conforme levantamento do site e-Farsas, a Polícia Civil de Campo Grande (MS) também falou no assunto, enquanto o jornal Tribuna do Paraná também publicou reportagem sobre o caso. Entretanto, algo em comum: não existem boletins de ocorrência registrados sobre o tal Homem Pateta nem casos confirmados, enquanto as autoridades dizem estar realizando um trabalho de prevenção baseado em informações de pais e professores.

A divulgação, claro, fez com que o caso ganhasse corpo. Uma pesquisa rápida no Facebook revela dezenas de perfis com o nome de Jonathan Galindo e imagens do Homem-Pateta, além de páginas que compartilham publicações sobre essa figura misteriosa e de aparência incômoda. O mesmo também vale para outras redes sociais, enquanto no YouTube, começam a surgir diversos relatos sobre encontros com essa figura e histórias de terror que, no intuito de assustar, acabam também demonstrando que a história se trata de um grande rumor.

Os primeiros relatos sobre a existência de um perfil desse tipo datam de 2017. Uma publicação de 9 de janeiro daquele ano, do YouTuber mexicano Rey Del Random, fala sobre um perfil que não deixará as pessoas dormirem e faz um passeio pelas imagens perturbadoras do perfil, à época, com uma grafia diferente: Jhonatan Galindo. No momento em que essa reportagem é escrita, o vídeo acumula quase 230 mil visualizações e acabou dando origem a vários outros, com números semelhantes ou até maiores.

A história, também, foi aumentando a cada postagem nova. Alguns criadores afirmam ter entrado em contato direto com Galindo, que seria uma pessoa deformada por um acidente químico — daí o uso da maquiagem inspirada no Pateta. Em outros, vinha a ideia de que ele seria um sequestrador de crianças, algo potencializado por algumas das publicações vistas por estes YouTubers, com fotos de crianças e adolescentes segurando um papel com o nome deste homem misterioso escrito. Em todos os casos, porém, algo em comum: nenhuma confirmação oficial.

Uma pesquisa rápida, porém, ajuda a revelar a verdade, pelo menos, quanto às imagens utilizadas. O personagem é obra de um cineasta e artista de efeitos visuais chamado James Fazzaro e começaram a surgir na internet no final de 2011 como uma forma de demonstrar o uso de prótese e maquiagens para a criação de personagens e divulgar sua empresa, a JMF Filmworks. A criatura que ficou conhecida como Homem-Pateta, na realidade, começou sua carreira na internet como Tony the Toon em um fórum voltado à cultura furry, que reúne entusiastas da personificação de animais de forma antropomórfica, com expressões e atitudes humanas, andando em duas patas e outras características do tipo.

Fazzaro seguiu com personagens desse tipo, mas optou por um rumo mais realista e um tanto sombrio com seu personagem seguinte, Garry the Goof. Aqui, saem as roupas coloridas e a maquiagem pesada para entrada de uma aparência um pouco mais decrépita, que também conversava com a história criada para ele, que tem duas personalidades: à noite, ele é um gentleman, que passia por aí cumprimentando a vizinhança e usando ternos vistosos. Durante o dia, porém, o personagem é funcionário de uma empresa de controle de pragas e, apesar do sorriso sempre presente, é citado como alguém que odeia sua vida e todas as pessoas que conhece.

FACEBOOK INVESTIGA PERFIS FALSOS

Essa aparência perturbadora e sombria deu origem a um segundo personagem, Larry LeGeuff, que o artista dar indícios de ser o verdadeiro Garry. Entre 2012 e 2014, foram publicadas a maioria das fotos que são usadas, hoje, nos perfis de Jonathan Galindo, retratando um personagem com a barba por fazer e roupas velhas, que fuma sem parar e é viciado em bebida. O ambiente doméstico, também, foi substituído por galpões e porões, enquanto ele aparecia portando ferramentas de forma ameaçadora.

Fazzaro não publica em seu site oficial desde janeiro de 2014, onde fazia críticas de filmes a que assistia. Seu currículo no site IMDb, entretanto, o mostra ativo na indústria do cinema até o ano passado, quando atuou como operador de câmera em duas produções independentes, uma minissérie de sete episódios chamada Disconnected e o filme de terror religioso Schism, ambos inéditos no Brasil. No Facebook, ele permanece ativo e, em uma publicação recente, criticou a recente viralização de Larry LeGeuff, que levou terceiros a tentarem tomar crédito por seu trabalho.

Histórias de terror

As imagens de teor perturbador circularam por anos na internet, sempre destacadas de seu contexto original. Para chegarem às redes sociais, foi um pulo, com o perfil original usado por Rey Del Random sendo apenas o primeiro de muitos. Essa conta, inclusive, é atualizada até hoje, atualmente fazendo piadas com a viralização do conteúdo e o envolvimento de forças policiais, além de convidar os seguidores para chamadas de vídeo e áudio via Instagram ou Messenger.

Vários “fakes dos fake”, claro, também surgiram, com a história, finalmente, ganhando corpo entre YouTubers de língua espanhola como o criador colombiano chamado Pipelon. Seu canal é especializado em pegadinhas e desafios, mas o relato de um suposto contato direto com Jonathan Galindo pelo Facebook Messenger angariou mais de um milhão de visualizações muito rapidamente. Nas cenas, ele afirma não apenas ter recebido ameaças do personagem, como também ter tido seu dispositivo hackeado só de falar com ele, com direito a fotos não autorizadas sendo enviadas como prova.

O conteúdo angariou público rapidamente e, no momento dessa publicação, já tem mais de 1,3 milhão de visualizações. O assunto se tornou uma série no canal de Pipelon, onde ele relata estar sendo perseguido pelo Homem-Pateta, com direito a avistamentos em sua própria casa.

A história finalmente explodiu pelas mãos do influenciador mexicano Carlos Name, que tem mais de 1,7 milhão de seguidores devido a seus trabalhos com maquiagem e marcas, além de contar histórias de terror pelos Stories. Foi por lá que ele contou a história de Jonathan Galindo, agora, com novas facetas: ele seria um homem de cerca de 40 anos com problemas psicológicos que perseguia mulheres e crianças.

Antigas nuances também ressurgiram aqui, com Name afirmando que um contato pelo Facebook seria suficiente para que o Homem-Pateta surgisse na casa das pessoas e que ele usaria a maquiagem devido às deformações de seu rosto. Em uma série de stories, ele chegou a demonstrar um encontro com Galindo do lado de fora de sua residência.

A exposição lá fora, claro, chamou a atenção de YouTubers brasileiros, que rapidamente começaram a publicar conteúdos sobre a história e também alertas quanto ao suposto contato do perfil de Galindo com crianças por meio do Facebook. Foi na chegada ao Brasil, também, que a pronúncia original, como “Jhonatan”, saiu para dar espaço ao mais reconhecível “Jonathan”.

Por Felipe Demartin Canal Infontech

Fonte : Polícia Civil de Santa catarina e Farsas, Infobae

1 Comment

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *