Trabalhadores da Educação de Minas entram em greve por tempo indeterminado

Filhote de felino é encontrado morto na MG-126 em Rio Novo.
março 9, 2022
Asfalto afunda com caminhão de coleta de lixo em Muriaé
março 9, 2022
Exibir tudo

Trabalhadores da Educação de Minas entram em greve por tempo indeterminado

Os servidores da rede estadual de Minas Gerais entrarão em greve por tempo indeterminado a partir desta quarta-feira (9). A foi aprovado por unanimidade, nesta terça-feira (8), em assembleia realizada em frente à Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). A Educação junta-se, assim, à Segurança Pública e à Infraestrutura na cruzada do funcionalismo público contra o governador Romeu Zema (Novo). 

A principal reivindicação da categoria é o cumprimento do piso salarial profissional nacional em Minas. A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG, Denise Romano, afirma que o cumprimento do piso é garantido tanto pela Lei 21.710/2015 quanto pelo artigo 202-A da Constituição Estadual. “Em nenhum dos anos do governo Zema, nós tivemos praticado o reajuste do piso salarial profissional nacional. A educação tem recursos próprios vinculados que nos garantem o piso salarial profissional nacional”, ressaltou Denise.

continua após a publicidade

 A coordenadora-geral do Sind-UTE/MG pontua que a proposta de recomposição inflacionária de 10,06% anunciada por Zema está distante do piso salarial nacional. “Na verdade, faltam 23%. A aplicação do piso salarial profissional nacional, que foi divulgada através de uma portaria do ano de 2022, é de 33,23%. Então, o governo do Estado de Minas Gerais precisa chegar a esse valor, que é o que a legislação prevê para o piso salarial profissional nacional”, reforçou a dirigente sindical.

O piso para o magistério da educação básica é de R$ 3.845,63 após reajuste de 33,24% anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro (PL) em fevereiro de 2022. De acordo com Denise, não há qualquer negociação em andamento com Zema para o cumprimento do piso. “O governo do Estado de Minas Gerais não dialoga, não conversa e se recusa a cumprir legislações que são estaduais. Por mais surreal que possa parecer, a Lei 21.710 está em vigor, a Constituição do Estado de Minas Gerais está em vigor e o governo do Estado faz a opção política de não cumprir a legislação”, criticou a coordenadora-geral.

Além disso, a categoria é contrária à proposta de Zema de adesão do Estado ao Regime de Recuperação Fiscal (RRF). O pleito, inclusive, foi tema de encontro entre lideranças sindicais – entre elas, Denise Romano, dirigente do Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação de Minas Gerais (Sind-UTE/MG) – e o presidente da ALMG, Agostinho Patrus (PV), nesta terça-feira. 

continua após a publicidade

Saúde aprova indicativo de greve

Em assembleia geral também nesta terça, a rede estadual aprovou um indicativo de greve em 72 horas. A deliberação já foi comunicada ao governo de Minas. Caso não haja uma resposta do Executivo, a paralisação será deflagrada a partir da próxima sexta-feira (11). A categoria reivindica uma recomposição inflacionária de 32,6% nos vencimentos.

A 2ª secretária de Organização do Sindicato Único dos Trabalhadores da Saúde de Minas Gerais (Sind-Saúde/MG), Núbia Roberta Dias, explicou que há uma defasagem salarial superior a dez anos. “Os servidores do sistema estadual de saúde têm um dos piores salários dentro do Estado de Minas Gerais e eles seguraram a pandemia. Nós temos uma exaustão completa nesse processo pandêmico há dois anos, temos um número reduzido de servidores para operar no Estado inteiro e até 2023 vamos ter 68% dos servidores aposentados. A nossa situação é muito séria”, afirmou Núbia.

Conforme a secretária do Sind-Saúde/MG, a outra reivindicação da categoria é o plano de cargos e salários. “Nós, hoje, temos um remendo de plano de cargos e salários, que não rende para os servidores e não atende aos nossos concursos. Para se ter uma ideia, hoje você tem concursos que são quase desertos. A questão da remuneração é muito baixa e eles não são atrativos para nossos servidores”, argumentou Núbia.

Foto: Video Press Produtora

Fonte : Jornal O Tempo

Kadu Fontana
Kadu Fontana
Jornalista registrado no MTE desde 2014 , radialista, e proprietário do Portal RKF. www.instagram.com/kadufontana/

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

error: O conteúdo está protegido !!